Crônica: Eis que ele está orando

Crônica: Eis que ele está orando
Texto assinado por César Felipe Canosso Costa
23Shares

Faço minha estreia neste espaço destinado à publicação de crônicas. O que você lerá a seguir é a reprodução de um momento especial que vivi com meu avô em 2013, pouco antes dele morrer, na Santa Casa de Pereira Barreto.

Pois eis que ele está orando (Atos 9:11)

O momento de apreensão toma meu coração. Palavras dispersas e sentimentos vazios parecem derramar o meu coração. Tenho acompanhado de perto o quadro clínico do meu avô.

Deus permitiu com que eu tivesse a honra de ter um particular com ele todos esses dias. Um hiato ensurdecedor tem tomado conta de minha vida, mas a oportunidade de ficar ali, segurando em suas mãos, acariciando seus cabelos, conversando sobre Cristo, é de valor imensurável à mim.

Noutro dia, passei a tarde toda com ele. Conversamos de tudo um pouco, mas o ponto alto do turno foi concernente aos cultos na igrejinha velha. Em determinado momento, meu avô me chamou pelo nome, quase que sussurrando, pediu para que eu me aproximasse e ficasse bem perto dele.

Pensei que fosse pedir água ou algum alimento, pedir para que abrisse um pouco mais a janela, ou algo do tipo, mas não.

Sussurrando ele disse: o Vô quer orar.

– Oi, vô? Não entendi. Perguntei.

– Eu quero fazer uma oração. Enfatizou.

Naquele instante pensei que fosse perdê-lo. Abracei-o com toda minha força e comecei a orar.

Pedi para que Deus me desse a honra de seguir o mesmo caminho que o dele. Pedi que me sustentasse assim como o sustentou. Que me segurasse pelas mãos, da mesma forma como carregou meu avô durante todos esses anos. Que me desse da mesma intimidade com Ele que concedeu ao meu avô.

Eu pedi em meio a um emaranhado de lágrimas, que Deus fosse comigo, assim como foi e continuava sendo com ele.Até que o silêncio e o vazio tomaram conta de nós naquele quarto frio.

Chorei. Chorei. Chorei. Chorei. Por minutos fiquei assim, chorando. E ele quieto.

Abri os olhos e parei para observá-lo. Ele estava em silêncio. Estático.

O desespero tomou conta do meu coração. Comecei sacudi-lo, comecei chamá-lo. Uma, duas, três vezes, sem que ele esboçasse nenhuma reação. Gritei. Gritei alto ao ponto de acordar os pacientes do quarto ao lado. A enfermeira foi até a porta ver o que estava acontecendo e sem saber o que fazer, ficou ali parada. E então, ele me respondeu: Oi, meu filho.

– Vô, porque não me respondeu? Não faz assim comigo não.

Demorou a responder, até que disse:- Mas eu estava orando.

O senhor José Maria Costa estava orando. Ele estava orando por mim. Aprendi que as orações são observadas instantaneamente por Deus, trazendo descanso à alma aflita e triste que ora. Orar é expressar o seu lamento, seja através de suspiros ou lágrimas.Deus não somente ouve oração, mas tem prazer em respondê-la. Por que Ele … Ele estava orando.

  • César Felipe Canosso Costa é casado com a Ana e pai da Helena. Jornalista responsável pelo Diário Noroeste, também é o criador da página Pô Auriflama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *