Prefeito de Ilha Solteira é condenado por ter sido ‘funcionário fantasma’ na Alesp

Prefeito de Ilha Solteira é condenado por ter sido ‘funcionário fantasma’ na Alesp
Na sentença, a juíza determina que sejam devolvidos aos cofres públicos R$ 36 mil , com juros e correção monetária. Defesa do político diz que ele não cometeu nenhuma irregularidade e que recorrerá da decisão.
0Shares

REDAÇÃO

O Prefeito de Ilha Solteira, Otávio Gomes (PSDB), foi condenado pela Justiça por ter sido, segundo a acusação do Ministério Público, funcionário fantasma na Assembleia Legislativa de São Paulo. Por TV TEM.

Curta o Diário Noroeste no Facebook

O MP afirma que Otávio recebeu pagamento da Assembleia Legislativa de 6 de fevereiro a 3 de maio de 2007, com jornada de trabalho de 40 horas semanais.

Contudo, o promotor do caso alega que, no mesmo período, o político cursava engenharia civil em uma faculdade de Ilha Solteira de forma integral.

Continua depois da publicidade

Na sentença, a juíza Ana Luiza Villa Nova, da 16ª Câmara de Fazenda Pública, determina que sejam devolvidos aos cofres públicos R$ 36 mil , com juros e correção monetária.

Siga o Diário Noroeste no Instagram

À TV TEM, a defesa do prefeito disse que ele não cometeu nenhuma irregularidade, porque as atividades que ele desenvolveu não precisavam ser feitas na Alesp, mas na representação política e social. A defesa disse também que vai recorrer da decisão.

Leia mais notícias da região em Diário Noroeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *